Noticia

Como minha crítica de “The $18-Billion Prize” foi censurada

A crítica da nova peça teatral de Phelim McAleer sobre o caso da Chevron aparentemente era muito perigosa para consumo público.

National Review - Daniel J. Kennard 13/06/2018

Foto: National Review

Foto: National Review

Eu não sabia quase nada sobre o dramaturgo Phelim McAleer ou sobre sua nova peça teatral The $18-Billion Prize (O Prêmio de $18 Bilhões) antes de escrever uma resenha para o Theatrius.com, um website de teatro da chamada Bay Area. Certamente não esperava que a crítica dessa peça me levasse a perder meu emprego. Havia advertências, no entanto; havia um e-mail do Círculo de Críticos de São Francisco passando entre os revisores, alertando que a peça de McAleer poderia ser perigosamente tendenciosa contra o movimento ambientalista, entre seus outros pecados.

The $18-Billion Prize de McAleer, peça coescrita por Jonathan Leaf, relata aspectos do famoso caso Equador vs. Chevron. Alguns antecedentes breves são necessários. Em 1972, a Texaco Petroleum começou perfurações para buscar petróleo no Equador. Mais tarde, a Texaco transferiu o gerenciamento para a estatal Petroecuador, encerrando suas operações no país em 1993. Antes de partir, a Texaco gastou US$ 40 milhões em um programa de remediação para substituir o solo contaminado e replantar as terras desmatadas, e as auditorias concluíram que este trabalho foi concluído com responsabilidade. Tudo isso foi supervisionado e aprovado pelo governo equatoriano. Vinte anos depois, no entanto, o Equador mudou de ideia e processou a Chevron (que havia sido adquirida pela Texaco) por bilhões de dólares em danos ambientais e sociais.

Steven Donziger, um advogado de Nova York, representou o Equador e processou a Chevron em qualquer tribunal que estivesse disposto a ouvir o caso. As cortes equatorianas decidiram contra a companhia, concedendo uma indenização de US$ 18 bilhões, mas foi provado que a sentença era inexequível. Após anos desta perseguição global, os supostos delitos de Steven Donziger vieram à tona e ele foi processado pela Chevron sob a Lei RICO por conspirar para influenciar o litígio equatoriano de maneira corrupta. Este julgamento de seis semanas, Chevron vs. Donziger, é o foco da peça de McAleer. Utilizando as transcrições da corte, a peça revela a extensão da corrupção de Steven Donziger, incluindo fraude, fabricação de provas e suborno de um juiz equatoriano.

Eu achei a peça tremendamente divertida e revigorante, e fiquei ansioso para encontrar o elenco e a equipe na recepção após a apresentação. Foi lá que conheci Phelim McAleer. Eu parabenizei-o e lhe disse que estava escrevendo uma crítica da peça para o Theatrius, e que tinha recebido um e-mail me avisando sobre o conteúdo da sua obra. McAleer não ficou surpreso e me disse que o grupo que havia redigido o e-mail era a ONG ambientalista Amazon Watch (cujos membros estiveram presentes na apresentação da noite anterior para atrapalhá-la). Ansioso para dar à peça a chance que suspeitava que não tivesse em outro lugar, disse ao dramaturgo que faria a resenha assim que pudesse. Eu ainda não sabia no que estava me metendo.

Meu editor, Barry Horwitz, um professor de inglês aposentado de 79 anos da U.C. Berkeley e fundador do Theatrius, foi descrito para mim pela primeira vez por um amigo em comum como “Berkeley de ponta a ponta”. Barry fala rápido: nos primeiros 20 minutos de conhecê-lo, fiquei sabendo que tinha escapado do alistamento militar fugindo para Paris, da sua marcha com Mario Savio durante o “Movimento de Liberdade de Expressão” de Berkeley, e que Reagan arruinou tudo. Então não posso dizer que fiquei muito surpreso que Horowitz achou problemática a minha crítica positiva de uma peça em que a Chevron é retratada como sendo a vítima.

Durante vários dias, troquei e-mails com Horwitz, tentando chegar a um meio-termo da minha resenha. Seus e-mails eram angustiados e longos. Ele estava preocupado por eu não ter sido crítico o suficiente com o uso seletivo de transcrições textuais de McAleer no caso da corte. Algumas das suas preocupações eram francamente conspiratórias - ele suspeitava que a peça tivesse patrocinadores corporativos secretos, apesar de seu financiamento coletivo transparente (até agora, a peça sequer alcançou a metade do seu objetivo de financiamento coletivo).

Na minha última conversa com Horwitz, ele soava perturbado. Ele estava dividido entre defender os princípios editoriais do Theatrius e a condenação ao ostracismo de uma peça que ele realmente achava estar “contribuindo para causas ruins”. Ele disse que essa era a coisa mais difícil que ele já teve que lidar no Theatrius e que estava até perdendo o sono por isso. Eu disse que relaxasse (ele estava de férias em Paris) e que tinha certeza de que poderíamos chegar a um acordo. Quando desliguei, saí para me encontrar com Phelim McAleer.

Desta vez, encontrei McAleer em um hotel badalado no centro de São Francisco. Eu tinha entrado em contato com ele através do seu publicista alguns dias antes, referindo-me ao calvário da minha publicação e esperando contar com um ouvido solidário. McAleer ficou desapontado ao ouvir sobre os meus problemas com a resenha, a qual disse ser parte de uma questão mais ampla. Segundo ele, o “establishment teatral” de São Francisco boicotou o seu projeto, e tudo, desde a contratação de pessoal até a de um local, foi quase impossível. Até mesmo seu ator principal abandonou o projeto em protesto à mensagem política da peça (na obra anterior de McAleer, Ferguson, nove de seus 12 atores desistirem de participar por motivos semelhantes).


Theatrius enviou outro crítico para a peça - a fim de entender corretamente o que eu aparentemente não consegui.

No final do nosso almoço, McAleer pediu-me para fazer o que pudesse para publicar a resenha. Naquela noite, fiz algumas das edições mais benevolentes que Horwitz havia sugerido e enviei meu esboço final. Comuniquei explicitamente que não poderia continuar escrevendo para o Theatrius se a crítica não fosse publicada. Até mesmo ofereci a sugestão de que Horowitz colocasse um alerta no começo do meu texto: “Esta resenha não reflete as opiniões do Theatrius”.

Dois dias depois, McAleer enviou-me um e-mail que seu publicista recebeu do Theatrius. Sem que eu soubesse, Theatrius havia enviado outro crítico para a peça - para entender corretamente o que eu aparentemente não consegui.

Theatrius disse que não poderia publicar a minha resenha porque “seria perigoso” divulgar uma peça de teatro com tal agenda (a palavra “perigoso” foi usada três vezes). O público, de acordo com o Theatrius, parecia “já politicamente convencido” ou poderia até ter sido plantado pela Chevron.

Alguns podem dizer que a censura da minha crítica é algo pequeno que pode ser ignorado. Não é. E não deveria ser. É assim que se desnatura a liberdade de expressão: não pela mão do governo, mas pelo preconceito institucionalizado. The 18-Billion Prize não é uma peça abertamente política – a corrupção é apartidária –, mas os antagonistas e protagonistas têm os nomes errados, os títulos errados. Eu não expus o litígio ou a defesa dos fatos como são apresentados na peça de McAleer. No entanto, achei a produção estimulante, instigante, divertida e... inofensiva. Quão frágeis devemos ser para temer uma arte como essa?

Se tivesse sido publicada, minha resenha teria terminado assim:

Esta não é uma peça que é contra o movimento ambientalista, nem contra valores progressistas. Esta é uma peça que nos lembra de que a integridade importa, uma observação importante e oportuna na era do #RESISTIR. “Por qualquer meio necessário” – um slogan muito popular da #Resistência – é uma estratégia que fatalmente corrompe qualquer causa, não importa quão justa seja, e decorre da mesma filosofia subjacente à arrepiante declaração de Donziger: “Fatos não existem, fatos são criados”.

Daniel J. Kennard - Daniel J. Kennard é um estudante da Universidade da Califórnia, Berkeley, e cursa educação.

Conteúdo relacionado

Tweets

    Sites relacionados

    • Últimas Notícias

    • 13/09/18Caso Chevron

      Tribunal de Arbitragem de Haia decide em favor de Chevron no caso Equador

      ConJur

      O caso envolvendo a petroleira Chevron e o governo do Equador ganhou mais um episódio. A Corte Permanente de Arbitragem de Haia proferiu uma decisão concluindo que a sentença de US$9,5 bilhões emitida contra a Chevron em Lago Agrio, Equador, em 2011, foi obtida por meio de fraude, suborno e corrupção.

    • 12/09/18Caso Chevron

      Corte Internacional Estapeia o Equador em Caso de Fraude contra a Chevron

      Hot Air - Jazz Shaw

      Já faz algum tempo desde a última vez que ouvimos de Steven Donziger e do seu grupo entusiasta de aliados ambientalistas equatorianos e norte-americanos, que tentaram surrupiar quase 10 bilhões de dólares da Chevron. Após uma série de derrotas impressionantes tanto em tribunais norte-americanos como canadenses, confirmando as alegações de fraude e extorsão, você poderia pensar que eles já haviam desistido. Mas não. O Equador ainda estava tentando pressionar sua reivindicação sob o direito internacional, fazendo com que a disputa fosse parar no colo da Corte Permanente de Arbitragem em Haia. A essa altura, não é surpresa saber que a Equipe do Equador não se saiu melhor do que em outras jurisdições. O tribunal considerou que os demandantes não têm qualquer reivindicação válida para solicitar pagamento no caso fraudulento em qualquer nação. (Businesswire)

    • 11/09/18Caso Chevron

      Corte internacional anula condena millonaria a Chevron por daño ambiental en Ecuador

      Migalhas

      Una corte internacional de arbitraje anuló una condena por US$ 9.500 millones contra la petrolera Chevron en Ecuador, con lo que hirió de muerte la pretensión de pobladores de amazónicos de hacer pagar a una multinacional por daños al ambiente.

    • 10/09/18Caso Chevron

      Tribunal Internacional Decide em Favor da Chevron no Caso Contra o Equador

      SAN RAMON, Califórnia, 10 de setembro de 2018 - Um tribunal internacional sob os auspícios da Corte Permanente de Arbitragem de Haia proferiu uma decisão em favor da Chevron (NYSE: CVX) e da sua subsidiária indireta, a Texaco Petroleum Company (TexPet), entendendo que a República do Equador violou as suas obrigações fixadas em tratados internacionais, acordos de investimento e no direito internacional. O Tribunal concluiu por unanimidade que a sentença de US$9,5 bilhões emitida contra a Chevron em Lago Agrio, Equador, em 2011, foi obtida por meio de fraude, suborno e corrupção e estava embasada em reivindicações já equacionadas e que foram objeto de quitação pela República do Equador anos antes. O Tribunal decidiu que a sentença fraudulenta equatoriana “viola a ordem pública internacional” e “não deveria ser reconhecida ou executada pelos tribunais de outros Estados”. A decisão estabeleceu que, de acordo com o direito internacional, a Chevron não é obrigada a cumprir a sentença equatoriana.

    • 04/09/18Notícias sobre o Equador

      Ex-executivo de petrolífera equatoriana perde seis propriedades no Sul da Flórida conectadas a lavagem de dinheiro

      The Real Deal - Keith Larsen

      Um ex-alto executivo da petrolífera nacional do Equador foi condenado a mais de quatro anos de prisão por supostamente lavar dinheiro por meio de seis propriedades no Sul da Flórida. Marcelo Reyes López, ex-executivo da PetroEcuador, foi sentenciado em julho a quatro anos e cinco meses de prisão por seu papel em um suposto esquema de lavagem de dinheiro envolvendo diversos funcionários da PetroEcuador e outros funcionários do governo equatoriano.

    • 20/08/18Caso Chevron

      Frente ao fracasso: o Equador socialista está admitindo a derrota?

      Forbes - Michael I. Krauss

      Após falhar completamente em seus esforços para executar uma fraudulenta sentença multibilionária contra a Chevron em tribunais internos dos Estados Unidos, Canadá, Brasil, Argentina e Gibraltar, o Equador está agora na defensiva perante tribunais internacionais.

    • 17/08/18Caso Chevron

      BITing The Dust: Is Socialist Ecuador Conceding Defeat?

      Forbes - Michael I. Krauss

      Having utterly failed in its efforts to enforce a fraudulently obtained  multi-billion-dollar judgment against Chevron in the domestic courts of United States, Canada, Brazil, Argentina and Gibraltar, Ecuador is now on the defensive before international tribunals.

    • 30/07/18Caso Chevron

      A Suprema Corte permitiu um caso corrupto no Canadá. Isso deveria preocupar a todos

      Financial Post - Jay Cameron

      Uma corte de Nova York ordenou a suspensão por má conduta profissional, com base em “evidências incontestáveis” de que Donziger e sua equipe jurídica ajudaram a garantir uma sentença contra a Chevron Corp. no Equador por meio de desonestidade e má-fé. Especificamente: “coerção judicial, corrupção de um perito judicial e redação secreta de sua sentença, deturpações relativas à independência do perito, obstrução da justiça, manipulação de testemunhas, ameaça indevida de processo criminal e suborno judicial”. Mesmo com Donziger contestando o processo, a decisão da corte observa que ele “escolheu não desafiar as descobertas fatuais subjacentes”.

    • 17/07/18Caso Chevron

      Uau: Advogado Chantagista do Caso da Chevron Busca Nova Carreira

      Hot Air - Ed Morrissey

      Não chegou às manchetes desta semana como Brett Kavanaugh e Donald Trump. Caramba, nem mesmo chegou às manchetes que Steve Donziger costumava ter no começo da sua carreira, depois que o advogado obteve uma sentença de US$8,6 bilhões contra a Chevron no Equador. Na terça-feira, porém, o estado de Nova York retirou a licença de advogado de Donziger como resultado direto da operação fraudulenta que levou à sentença:

    • 16/07/18Caso Chevron

      Justiça argentina absolve a Chevron um caso de poluição ambiental

      La Nacion

      A 1ª Sala da Câmara Civil de Apelações de Buenos Aires indeferiu uma ação contra a Chevron Corporation por falta de jurisdição.

    • 16/07/18Caso Chevron

      Rival de longa data da Chevron chega ao fim da linha

      Bloomberg - Joe Nocera

      O advogado audacioso que ataca a grande corporação nem sempre está certo.

    • 13/07/18Caso Chevron

      Steven Donziger Gets His Due

      The Wall Street Journal - The Editorial Board

      Plaintiff attorney Steven Donziger’s attempted looting of Chevron for spurious environmental crimes in Ecuador ranks among the biggest legal scams in history. The law finally caught up to Mr. Donziger this week as a New York court pulled his legal license.

    • 12/07/18Caso Chevron

      La justicia argentina absuelve a Chevron en una causa por contaminación ambiental

      La Nacion

      La Sala I de la Cámara Civil de Apelaciones de Buenos Aires desestimó una demanda contra Chevron Corporation por falta de jurisdicción. El tribunal rechazó ejecutar en el país una sentencia dictada por la justicia ecuatoriana por un caso de contaminación con residuos petrolíferos bajo el argumento de que la compañía no tiene domicilio legal o activos en el país y que Chevron Argentina SRL y otras subsidiarias locales no pueden ser alcanzadas por tratarse de personas jurídicas diferentes.

    • 12/07/18Caso Chevron

      Chevron’s Longtime Nemesis Hits the End of the Road

      Bloomberg Opinion - Joe Nocera

      Corporations are easy to hate. They are big, they are impersonal, and they operate by profit-driven rules that can sometimes seem cruel. When corporations are accused of wrongdoing by a community led by a plucky plaintiffs lawyer, there is a natural tendency to believe the latter over the former.

    • 12/07/18Caso Chevron

      Advogado de demandantes é suspenso após juiz encontrar indícios de ‘fraude’ e ‘coerção’ no caso de poluição da Chevron

      New York Law Journal - Andrew Denney

      Um painel de apelação estadual em Manhattan disse que as constatações de uma corte federal “constituem evidência incontestável da séria má conduta profissional que ameaça imediatamente o interesse público”

    • 12/07/18Caso Chevron

      Corte de Apelações de Nova York Suspende Advogado que Processou a Chevron em Caso no Equador

      Reuters - Jonathan Stempel

      (Reuters) - Um advogado que por muitos anos esteve em busca de um litígio multibilionário que culpa a Chevron Corp. pela poluição da floresta tropical equatoriana foi suspenso do exercício da profissão em Nova York na terça-feira por uma corte estadual de apelações.

    • 11/07/18Caso Chevron

      Suprema Corte de Nova Iorque Suspende Licença de Advogado Envolvido em Processo Equatoriano Fraudulento

      Julgamento Bruto

      SAN RAMON, Califórnia, 10 de Julho de 2018 - Steven Donziger, o principal advogado dos autores que moveram uma ação judicial fraudulenta contra a Chevron no Equador, teve suspenso o seu direito de exercer a advocacia em Nova Iorque com efeito imediato.

    • 11/07/18Caso Chevron

      Steve Donziger, Ecuadoran Villagers’ Lawyer, Loses License

      Bloomberg Law - Peter Hayes

      An attorney who won an $8.6 billion award in an Ecuadoran court against Chevron Corp. over pollution of the Amazon rain forest later found to be obtained by coercion, fraud and bribery has lost his law license.

    • 10/07/18Caso Chevron

      Censura à Imprensa Chega ao Teatro

      FrontPage Mag - Matthew Vadum

      Um grupo ativista de extrema esquerda chamado Amazon Watch ajudou a matar uma crítica honesta de uma peça de teatro que mostra como ambientalistas radicais realizaram um enorme ataque feroz contra a Chevron, segundo o coautor da obra.

    • 10/07/18Caso Chevron

      Advogado Enfrenta Mais Contratempos na Batalha de Poluição Contra a Chevron

      Law 360 - Christine Powell

      Um juiz federal de Nova York rejeitou na quarta-feira as objeções apresentadas por um advogado após um parecer ter determinado que uma sentença de poluição por petróleo de US$9,5 bilhões, a qual ele ajudou a obter contra a Chevron Corp. no Equador, foi fraudulentamente produzida e não poderia ser executada, determinando que ele estava tentando frustrar decisões desfavoráveis.

    • 06/07/18Notícias sobre o Equador

      AP Interview: Correa Says No Plans to Return to Ecuador

      US News - Raf Casert

      LOUVAIN-LA-NEUVE, Belgium (AP) — Former President Rafael Correa on Thursday called Ecuador's demand for him to be jailed and extradited from Belgium just a power ploy by the government to stamp out opposition, adding that it will instead push him back to the forefront of politics.

    • 05/07/18Caso Chevron

      NOVA DERROTA: Corte Argentina rejeita sentença equatoriana contra Chevron Corporation

      ConJur - Gabriela Coelho

      Em mais um episódio judicial envolvendo a petroleira Chevron, a Corte de Apelações na Argentina rejeitou a tentativa de executar no país uma sentença equatoriana que atrapalharia o funcionamento da empresa.

    • 05/07/18Caso Chevron

      Corte de Apelações da Argentina Rejeita Sentença Equatoriana Fraudulenta Contra a Chevron Corporation

      Julgamento Bruto

      SAN RAMON, Califórnia, 5 de julho de 2018 -- Uma corte de apelações na Argentina rejeitou a tentativa de execução da sentença equatoriana fraudulenta contra a Chevron Corporation, fazendo da Argentina o mais recente país onde os tribunais desconsideraram a sentença, que foi reconhecida pelas cortes norte-americanas como obtida por meio de extorsão e corrupção.

    • 04/07/18Caso Chevron

      Chevron destaca fallo judicial favorable en Argentina

      La Vanguardia/EFE

      La petrolera estadounidense Chevron afirmó hoy que "continúa desmoronándose" el esquema legal para intentar llevar a distintos países un caso planteado inicialmente en Ecuador por daños medioambientales en la Amazonía.

    • 28/06/18Caso Chevron

      Atualizações Sobre a Responsabilidade da “Grande Petroleira”: Justiça Está Prevalecendo!

      Forbes - Michael I. Krauss

      Diversas colunas anteriores trataram extensivamente de dois tipos de ações judiciais contra a “Grande Petroleira”. De um lado, cidades nos estados da Califórnia e de Nova York estão processando a Grande Petroleira por criar o “transtorno” de, essencialmente, causar o aumento da temperatura da terra. Por outro, autores equatorianos estão processando a Chevron por envenenar, essencialmente, indígenas. Ambas as ações judiciais não fazem sentido, como as minhas colunas anteriores mostraram. Os processos das cidades não cumprem com qualquer definição inteligível de transtorno. A Chevron não despojou a selva equatoriana e foi considerada responsável por somente um tribunal desonesto nesse país.

    • 27/06/18Caso Chevron

      Fiscal pide a tribunal argentino rechazar sentencia contra Chevron

      Agencia ABC

      Un fiscal recomendó a un tribunal de Argentina rechazar la ejecución en el país de una sentencia dictada en Ecuador contra Chevron

    • 27/06/18Caso Chevron

      Fiscal recomienda rechazo de sentencia fraudulenta contra Chevrón en Ecuador

      Gaceta Mercantil

      El fallo original, de la justicia ecuatoriana, le reclama a la petrolera estadounidense casi 10.000 millones de dólares en concepto de reparación por daño ambiental.

    • 26/06/18Caso Chevron

      Promotor recomenda rejeição da sentença fraudulenta contra a Chevron no Equador

      Gaceta Mercantil

      Um promotor de justiça da Argentina recomendou a confirmação de uma sentença de primeira instância que rejeita a tentativa de execução no país de uma sentença equatoriana de 9,5 bilhões de dólares, que foi declarada como fraudulenta nos Estados Unidos, contra a Chevron Corporation.

    • 26/06/18Caso Chevron

      Promotor Argentino Solicita que Corte de Apelação Rejeite Sentença Equatoriana Fraudulenta contra a Chevron

      Julgamento Bruto

      O Ministério Público Federal da Argentina recomendou que uma corte de apelação rejeite uma tentativa dos advogados dos autores da ação de executar nesse país uma sentença equatoriana fraudulenta de $9,5 bilhões contra a Chevron Corporation, que tem sua matriz nos Estados Unidos.

    • 26/06/18Caso Chevron

      Updates On "Big Oil" Liability: Justice Is Prevailing!

      Forbes - Michael L. Krauss

      Several past columns have dealt extensively with two types of lawsuits against "Big Oil." On the one hand, California and New York cities are suing Big Oil for creating the "nuisance" of, essentially, causing the Earth